Minério e Prosa: A sorte foi lançada – ALEA JACTA EST

ALEA JACTA EST

A sorte foi lançada!
A frase acima, supostamente pronunciada em latim por Júlio Cesar, em momento de decisão importante, é geralmente usada por nós assim, apostando que algo bom vai nos acontecer mesmo que não haja qualquer certeza disso, bem aleatoriamente: A SORTE FOI LANÇADA!
Mas percebam bem que certas pessoas têm mais sorte que outras. Basta olhar com cuidado todos os acontecimentos em torno de nós.
Pessoas bonitas são mais sortudas do que as feias. Por exemplo, quando uma pessoa bonita disputa uma vaga de emprego com uma feia, em igualdade de condições técnica e intelectual, a pessoa bonita é geralmente agraciada pela sorte e consegue a vaga. Sorte, pura sorte!
Também acontece isso entre brancos e negros. Dou até um exemplo recente, acontecido num bairro de periferia em Jundiaí. Havia 5 rapazes em situação avaliada como suspeita pelos policiais. Quatro eram brancos e somente um negro. Pois não é que os policiais escolheram puramente ao acaso o negro para ser levado por eles e nunca mais ser encontrado? Os quatro brancos foram agraciados pela sorte, somente o negro foi azarado.
Héteros têm mais sorte que LGBTs, por exemplo. Pois num barzinho em certa cidade onde havia *muita gente*, alguns rapazes acharam de implicar justamente com uma mulher trans que estava com uma amiga tomando tranquilamente sua bebida, sem perturbar ninguém. Ela foi agredida verbalmente e depois perseguida até ser obrigada a deixar o local com sua amiga. Única azarada em meio a tanta gente de bem e de sorte.
Homens têm mais sorte que mulheres. Vejam só que sorte a nossa. Dentre tantas outras coisas, quero destacar a existência de uma linguagem e um vocabulário adequado ao mundo masculino. Há uma certa hombridade até nas palavras. Elas caem bem para o mundo masculino, enquanto as mulheres têm que inventar, rebuscar, pesquisar para encontrar as palavras com as quais elas se sintam bem. Por exemplo, quando queremos generalizar, basta falar no masculino e está dito. Uma sorte do homem.
E os podres, ah… esses é que são azarados mesmo. Por exemplo, os ricos fazem carreatas de dentro dos seus carrões maravilhosos pedindo que os seus empregados que lhe geram riqueza e fazem a economia andar tenham o direito de voltar a trabalhar. E engraçado é que eles podem fazer carreatas e não pegam o tal do CORONAVÍRUS. Tudo bem que estão dentro de seus carrões. Mas, se por acaso vierem pegar o tal vírus, são na maioria das vezes muito sortudos. Pois, não é que são levados para hospitais com muitos recursos, são muito bem tratados e se recuperam mais facilmente e rapidamente que os pobres. É verdade. E mais, se ficam reclusos em casa, têm a sorte de ter um quarto individual maior que todo um apartamento, ou casa de um pobre minha. Enquanto isso os pobres que gritaram exatamente os mesmos gritos e compartilharam suas publicações no Facebook são muito azarados. Nem conseguem ir aos supermercados fazer suas compras para ter em casa como garantia, porque não tem dinheiro. Já os ricos são tão sortudos, que caso fiquem sem trabalhadores, o governo cria mecanismos de incentivo e disponibilizam alguns mils reais para nap falirem. Já os pobres, caso não percam o emprego e voltem a trabalhar vão de ônibus pegando e repassando o CORONAVÍRUS para todo mundo. Totalmente azarados com suas doenças de base que agravam e dificultam sua situação. Eles são a sorte dos ricos, mas para si mesmos só azar.

ALEA JACTA EST
A SORTE FOI LANÇADA!

Autor: nádiO batistA